domingo, 14 de maio de 2017

Companhia para a última dança

Quem já passou por isso sabe. Imagine-se prisioneiro do tempo. Com os minutos contados e recontados. Iniciado um "timer" preparado para chegar ao fim. O algoz precisando de um par para a última dança. Uma angústia sem fim. Todos, que com os olhos cheios de lágrimas e o coração cheio de pesar, clamavam desesperadamente por um fio de esperança.


O destino estava lançado. E nós, desconhecedores da sorte, esperávamos para ver, nada mais poderíamos fazer. Ou poderíamos? É difícil dizer, mas é pior saber, pelo menos nesta situação. 

E o que não esperávamos parecia certeiro. E lá se foi ela. Desfrutou de sua última dança. Em companhia não desejada é claro. Desfaleceu em seus braços. Levou um pedaço de cada pessoa com quem compartilhava sua vida. Em dias de primavera, eu teimo e insisto em dizer que sinto seu cheiro nas flores.




Nenhum comentário:

Postar um comentário