quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Antes de começar eu sabia que o final seria bom



Não esperávamos muito.
Nem queríamos tanto.
Só sair e ver o mundo, por menor que ele parecesse ser.

Ciranda de mãos dadas, lágrimas compartilhadas que secavam instantaneamente. Risadas sinceras.

Felicidade não se resumia a ter. Era um sentimento real. 

Sem noção de tempo. Tudo corria bem devagar. Como se fosse uma cena em stop motion

E estávamos lá: juntos, sem esperar nada.

E a mente nos transportava para todos os lugares, ganhando ares de conto de fadas.

E a sinceridade não doía de ser ouvida. 

Podíamos ser quem quiséssemos, que não havia complexidade, problemas nem preocupação.

Carregávamos a sinceridade e a pureza no olhar. 

Um a um chegando no mesmo tempo como se fosse um chamado silencioso.

Brincadeiras, sorrisos, palavras e rostos felizes.

Queríamos crescer, mas não sabíamos que iriamos desejar, do fundo do coração, voltar.  

Mas o que há para saber é que carregamos ela dentro de nós, na verdade, nunca nos abandonou.

 E lá no fundo, independente de onde paramos, do quanto esquecemos, podemos encontrar a qualquer hora a nossa melhor versão, somar com ela e tentar ser melhor.


terça-feira, 5 de setembro de 2017

Profundo saber


Ninguém mais acreditou. 
Já era visto como passado, apenas pó.  
A lua voltou a aparecer no céu após um período de nublado. Eu sempre soube, tinha fé. 
Vi acontecer antes de ser aquilo que era invisível aos olhos dos outros. 
Não deixei me levar. 
Persisti, pois sabia que era viável. 
Mesmo sendo visto como sonhador, planejei cada detalhe dessa realidade. 
Um dia de cada vez.


domingo, 14 de maio de 2017

Eu vou


O primeiro passo



Companhia para a última dança

Quem já passou por isso sabe. Imagine-se prisioneiro do tempo. Com os minutos contados e recontados. Iniciado um "timer" preparado para chegar ao fim. O algoz precisando de um par para a última dança. Uma angústia sem fim. Todos, que com os olhos cheios de lágrimas e o coração cheio de pesar, clamavam desesperadamente por um fio de esperança.


O destino estava lançado. E nós, desconhecedores da sorte, esperávamos para ver, nada mais poderíamos fazer. Ou poderíamos? É difícil dizer, mas é pior saber, pelo menos nesta situação. 

E o que não esperávamos parecia certeiro. E lá se foi ela. Desfrutou de sua última dança. Em companhia não desejada é claro. Desfaleceu em seus braços. Levou um pedaço de cada pessoa com quem compartilhava sua vida. Em dias de primavera, eu teimo e insisto em dizer que sinto seu cheiro nas flores.




quinta-feira, 6 de abril de 2017

Não está fácil para ninguém

Ninguém disse que seria. Mesmo para aqueles que neste momento vivem na mais santa paz. Se prepare, a vida logo se lembra de você e vem te dar um sacode. 

Não estou dizendo que ela é do mal e não vai te dar um único momento de descanso. Longe disso, o que quero dizer é que: não é bom ficar parado. 

O que não podemos negar é o quão bom é o viver, quanta coisa bom já vivemos até aqui, cada acordar, cada respirar, cada conquista, cada alegria, cada música boa que já ouvimos, cada sorriso.

Se tudo anda bem: se liga que não da para acomodar. Se tudo não vai bem, se fortaleça, respire fundo, tenha uma boa noite de sono e vá buscar melhorias. O que não pode é ficar parado, em ambas as situações. 

E, mesmo que não seja fácil, você pode buscar suporte, amparo, uma voz, uma mão. Você sempre pode ir ou pode ficar. Cabe a você decidir. 

Só saiba que nunca é tarde. 

Não deixe que um fardo de arrependimentos te impeça de se superar a cada dia. Há sempre tempo para se tornar uma versão melhor de si próprio.

 

domingo, 2 de abril de 2017

São tantas perguntas


Não sou o que fui, mas sou. Sim, eu sou


Assim como os lugares, as fotografias jamais poderão ser iguais. O momento captado não pode, sem dúvida, ser idêntico. Alguns não estarão, mas outros vão estar com os cabelos mais brancos, com a alma mais pesada. 

Árvores crescem :), rios desaparecem :(, pessoas vem e vão, dias intercalam luz e sombra. Cenários são substituídos. E só conseguimos ver isso quando passamos muito tempo sem ver o outro. 

Em nossa jornada muita coisa nos transforma. Somos eternos mutantes e dia após dia somos transformados. E nossa bagagem nos faz seres mais fortes, mais experientes. 

Não sofremos tanto, não choramos por besteira. Somos mais forte. Ou passamos por tal. 

Não sou o que fui, mas sou. Sei com tanta certeza, com uma força tamanha. Sim, eu sou. E ninguém poderá dizer o contrário.